Relatório do CFPB detalha finanças e dívidas familiares em Apalaches Rurais

Washington DC O Consumer Financial Protection Bureau (CFPB) divulgou o primeiro de uma série de relatórios com foco nas finanças dos consumidores que vivem em áreas rurais. O relatório de hoje se concentra nos Apalaches rurais, que tendem a ganhar menos do que outros consumidores rurais e têm taxas mais altas de crédito hipotecário. Em particular, as cobranças de dívidas médicas são um problema mais prevalente entre os Apalaches rurais, e os consumidores com cobranças de dívidas médicas geralmente têm problemas para atender suas outras necessidades financeiras.

“A região dos Apalaches do nosso país enfrenta desafios distintos do que outras partes da América rural”, disse Rohit Chopra, diretor do CFPB. “A América rural desempenha um papel fundamental na segurança alimentar e na segurança nacional de nossa nação, por isso devemos trabalhar para garantir que o mercado financeiro possa ajudar as famílias a sobreviver e prosperar”.

O relatório do CFPB descobriu que quase 24% dos residentes rurais dos Apalaches têm dívidas médicas em grupos, em comparação com apenas 17% em todo o país. Além disso, os Apalaches rurais com cobrança de dívidas médicas têm mais que o dobro das taxas de inadimplência para outros produtos de crédito do que aqueles sem cobrança de dívidas médicas em cada categoria.

Por exemplo, enquanto 12% dos Apalaches rurais tinham empréstimos para automóveis inadimplentes, aqueles com grupos de dívidas médicas tinham uma taxa de 29% de empréstimos para automóveis inadimplentes. Conforme o relatório do CFPB apurou:

  • Quinze por cento dos Apalaches rurais têm inadimplência no cartão de crédito, enquanto 37% dos Apalaches rurais que lidam com cobrança de dívidas médicas também têm inadimplência no cartão de crédito.
  • Dezoito por cento dos Apalaches rurais tinham empréstimos estudantis inadimplentes, enquanto os Apalaches rurais com dívidas médicas tinham uma taxa de 37% de inadimplência nos empréstimos estudantis.

O relatório de hoje examina a região dos Apalaches, que abrange 13 estados e é desproporcionalmente rural. 33% dos 26 milhões de habitantes dos Apalaches vivem em um condado rural, em comparação com 14% da população nacional. Mais de 2 milhões de Apalaches vivem em Condados de Pobreza Perene (PPCs), que são definidos como condados que tiveram taxas de pobreza de 20% ou mais nos últimos 30 anos. Os consumidores de PPC geralmente enfrentam taxas de juros mais altas e ofertas financeiras mais baixas devido ao aumento do risco de crédito da província.

Outras descobertas no relatório do CFPB incluem:

  • Apenas 71 por cento dos Apalaches rurais e 63 por cento dos Apalaches rurais que vivem em PPCs têm um cartão de crédito ativo, em comparação com 80 por cento dos consumidores em todo o país. Os consumidores que não têm acesso a cartões de crédito muitas vezes precisam recorrer a alternativas mais caras ao crédito, como empréstimos consignados e casas de penhores.
  • O saldo médio de empréstimos estudantis como porcentagem da renda anual de uma família é de 41% para a zona rural dos Apalaches, em comparação com 32% para o país. Os saldos de empréstimos para automóveis representam 31% da renda anual de uma família para os Apalaches nas áreas rurais, em comparação com 21% nacionalmente.
  • As taxas de rejeição de hipotecas rurais dos Apalaches (21%) foram o dobro da taxa de pedidos de hipotecas em todo o país (11%). Para PPCs rurais, as taxas de negação foram de 35%.
  • Os residentes rurais dos Apalaches têm taxas de juros mais altas em empréstimos à habitação para compra de casas em 2021 do que o estado. A média nacional foi de 3,13 por cento, enquanto a taxa para a população rural dos Apalaches foi de 3,41 por cento. As taxas médias de PPCs rurais dos Apalaches foram de aproximadamente 4% (3,86).

Leia a reportagem de hoje Finanças ao consumidor na zona rural dos Apalaches.

O relatório de hoje faz parte de uma série que destacará o financiamento ao consumidor em comunidades rurais em todo o país, com foco maior nos condados de pobreza persistente.

O CFPB incentiva os consumidores a usar a ferramenta Tell Your Story do Bureau para compartilhar experiências positivas ou negativas que tiveram com produtos e serviços financeiros. Os clientes também podem registrar reclamações acessando o site do CFPB ou ligando para (855) 411-CFPB (2372).

###

O Consumer Financial Protection Bureau é a agência do século 21 que implementa e aplica a lei federal financeira do consumidor e garante que os mercados de produtos financeiros ao consumidor sejam justos, transparentes e competitivos. Para mais informações visite Consumerfinance.gov.

Leave a Comment

Your email address will not be published.